Mitos e Contos,  Sagrado Feminino,  Sombra Feminina

Afrodite, a deusa alquímica

Afrodite, a deusa do amor e da beleza, associada à sensualidade, aos prazeres carnais e à vaidade do corpo. É a versão grega da deusa romana Vénus. Uma pessoa que se identifique com Afrodite é aquela que aceita e se sente à vontade com o seu corpo e sexualidade, e por norma tem também uma imensa força criativa, espontaneidade e vitalidade.

O seu cinto de ouro, forjado por Hefesto, o colar que fazia com que ficasse com rosto de ninfa e o manto que lhe transformava a silhueta eram elementos que levavam a que ninguém lhe conseguisse resistir, fosse humano ou divindade.

Esta deusa representa um arquétipo difícil de aceitar numa sociedade patriarcal, porque simboliza principalmente a mulher que escolhe com quem se relaciona, conhece e aceita os seus desejos, não se deixando dominar.

A Deusa Alquímica

Afrodite tem a capacidade de se ligar ao outro e transformá-lo, inspirando discursos poéticos e românticos, simbolizando o poder transformador e criativo do amor. Encontramos este poder de transformação, por exemplo, quando somos tomados pelo amor de forma a conseguirmos ver beleza em tudo na vida: o que é “banal” transforma-se em “ouro”, daí que Afrodite é considerada uma deusa alquímica.

Quando nos apaixonamos e esse sentimento é mútuo, sentimos muitas vezes em nós, de certa forma, a personificação de Afrodite, atraentes e sensuais, um Amante/Enamorado arquetípico.

Nas relações que esta deusa estabelecia os sentimentos eram mútuos. Afrodite valorizava mais a experiência emocional com os outros do que a sua independência, sendo também, no entanto também desvalorizados os laços permanentes. Isto significa que as suas relações eram importantes para ela, mas dificilmente assumia relações a longo termo.

Portanto, esta deusa é símbolo da intensidade dos relacionamentos, mas não simboliza necessariamente a permanência nos mesmos. É aquela “química” que existe entre duas pessoas, o desejo irresistível e difícil de explicar.

Normalmente são pessoas que não casam ou, como a actriz cheia de glamour do cinema clássico de Hollywood Elizabeth Taylor, assumem vários casamentos ao longo dos anos. Apreciam roupas bonitas e sensuais, bons perfumes e até joias, tudo o que está na moda (pelo que consta, a actriz corresponde a esta descrição), e todas as experiências relacionadas com as sensações são bem-vindas.

Importante salientar que:

– numa das vertentes de Afrodite temos a representação de amor carnal que visa a satisfação dos desejos e a procriação; é esta a visão mais comum acerca desta deusa

– podemos encontrar os encantos de Afrodite fora de relações físicas ou românticas, como no amor platónico, numa amizade forte, na empatia profunda, e em todas as formas de expressão de amor. Ela está numa relação de qualquer tipo quando existe apoio, ajuda no desenvolvimento, no encorajamento à criatividade

– esta deusa é também representação simbólica da paixão por alguém ou por alguma coisa que dará origem a um processo criativo do qual nascerá algo novo – como um projecto, por exemplo. Afrodite está presente em qualquer trabalho criativo, mesmo aquele realizado em solitude: ora observem, por exemplo, a relação entre um pintor e a sua tela.

Uma coisa é certa: onde quer que Afrodite exerça a sua influência positiva, irá existir brilho, leveza, e estimulação de pensamentos e sentimentos. Por isso pessoas que se identifiquem em grande parte com esta deusa têm por norma grande vitalidade, como referi acima.

Só que, como tudo na vida, esta deusa é luz e sombra

Tem também uma vertente menos bonita, e podendo ser destrutiva.

Pessoas com grande identificação com esta deusa podem, por um lado ser mal interpretadas e excluídas, e por outro, não serem levadas a sério e até serem tratadas como objectos. Isto muitas vezes provoca, a longo termo, a baixa auto-estima – o contrário de Afrodite quando se encontra no seu lado menos destrutivo.

Uma pessoa que tenha Afrodite muito presente em si, apaixona-se com muita facilidade.

Por norma também é dotada de grande magnetismo e sex appeal, o que pode levar os outros a criar uma ideia errada. É daquelas situações em que alguém simplesmente está a ser simpático ou prestável e esses comportamentos acabam por ser confundidos com interesse ou atracção.

Muitas vezes são pessoas que levam a vida como uma experiência sensorial, vivendo o presente e sem se preocupar com as consequências das suas acções. Como não está preocupada com o futuro, por vezes acaba em situações desagradáveis para si e para outros.

Na sua sombra, existe ainda destrutividade no amor quando se encontram numa relação infeliz, podendo deixar-se minimizar pelo outro, e até tornando a paixão numa obsessão. A isto chama-se a “maldição” do amor, ou de Afrodite.

Nomeadamente na adolescência, se começam a ouvir determinadas coisas sobre os seus comportamentos, estas pessoas podem começar a suprimir a sua sexualidade, culpabilizando-se por terem pensamentos e sentimentos “inaceitáveis”. Quando uma pessoa vive num ambiente em que a sua sexualidade é reprimida acaba por perder grande parte da sua espontaneidade e vitalidade.

Irei retornar com Afrodite e com formas de a trabalhar em nós, seja para nos conectarmos com ela ou para permanecermos no seu lado de amor criativo e não de destrutividade.


Joana

O meu trabalho passa pelas áreas do Sagrado Feminino, Tarot e Óraculos, Mitologia e Contos de Fadas. Todas estas terapias contribuem para o auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal. Sou enfermeira e trabalho também com a Ayurveda. Adoro ler desde que me lembro de ser gente e os livros são um dos meus maiores vícios. Sou uma mãe loba mega babada de uma bebé arco-íris. Aqui podes encontrar informação sobre as terapias que realizo, os produtos e serviços que ofereço, e vários textos meus, alguns deles reflexões pessoais, outros sobre os assuntos que estudo. O meu objectivo é ajudar-te a encontrares ferramentas adequadas a ti para o teu auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal, bem como conseguires um maior bem-estar.

O meu trabalho passa pelas áreas do Sagrado Feminino, Tarot e Óraculos, Mitologia e Contos de Fadas. Todas estas terapias contribuem para o auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal. Sou enfermeira e trabalho também com a Ayurveda. Adoro ler desde que me lembro de ser gente e os livros são um dos meus maiores vícios. Sou uma mãe loba mega babada de uma bebé arco-íris. Aqui podes encontrar informação sobre as terapias que realizo, os produtos e serviços que ofereço, e vários textos meus, alguns deles reflexões pessoais, outros sobre os assuntos que estudo. O meu objectivo é ajudar-te a encontrares ferramentas adequadas a ti para o teu auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal, bem como conseguires um maior bem-estar.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.