Ayurveda

Os Cinco Elementos e o Homem

Depois do post sobre os Panchamahabhutas (que pode ser lido aqui), algumas pessoas mais próximas referiram-me que queriam ler mais acerca dos Cinco Elementos e a sua relação com o Homem. Por isso, aqui escrevo este post. Vou começar com um pequeno parágrafo sobre o aparecimento destes elementos, na perspectiva Ayurvédica, e depois explicitarei como estes se manifestam no Homem, de acordo com esta teoria.

Panchamahabhutas
Imagem daqui

Os Rishis, como referido anteriormente no artigo acima mencionado, perceberam que os Cinco Elementos se manifestavam no Universo. No início, estes elementos existiam num estado de consciência não manifestado, do qual surgiu o som AUM. A partir da vibração deste som surgiu o primeiro elemento, o Éter (Akasha), que viria a dar origem a todos os outros. Este elemento começou, então, a movimentar-se, e os seus movimentos originaram o elemento Ar (Vayu). Por sua vez, os movimentos do Ar geraram fricção e calor, manifestando-se a partir daqui o elemento Fogo (Agni). O calor do Fogo fez com que certos elementos etéreos se dissolvessem e liquidificassem, aparecendo o elemento Água (Jala). Por último, algumas dessas moléculas solidificaram, surgindo o elemento Terra (Prithvi). O Éter, elemento inicial, manifestou-se nos outros elementos, formando os Cinco Elementos que estão presentes em tudo no Universo.

Ayurveda, a Natureza e os Elementos

Para a Ayurveda, o Homem é um microcosmo da Natureza. Isto significa que os cinco elementos presentes no Universo e na Natureza estão presentes também dentro de cada indivíduo.

Éter (Akasha): este elemento é poroso, leve, não pode ser tocado, macio e penetrante. Pode ser percebido como um som. No corpo humano encontra-se nos espaços vazios, como os espaços do trato digestivo, abdómen, tórax, espaços do nariz e da boca, vasos capilares e linfáticos, tecidos e células. Este elemento está ligado à audição. O seu órgão correspondente são os ouvidos.

Ar (Vayu): este é o elemento do movimento. Como o éter, é leve e subtil, mas também é seco, áspero, frio e móvel. o corpo humano, manifesta-se nos movimentos dos músculos, nos movimentos dos pulmões, nas pulsações do coração, nos movimentos do estômago e intestino, bem como em todos os movimentos sensoriais e motores. Corresponde ao sentido do tacto. O seu órgão correspondente é a pele.

Fogo (Agni): este elemento é claro, luminoso, seco e móvel. No corpo trabalha através da digestão, dos processos de pensamento (manifesta-se como inteligência), e ao nível da visão (activa a retina, que percebe a luz). Manifesta-se através do metabolismo, do sistema enzimático, da temperatura corporal. O sentido no qual actua é a visão. O seu órgão correspondente são, então, os olhos.

Água (Jala): a água é líquida e viscosa, húmida, fria, móvel. No corpo podemos encontrar a sua manifestação nas secreções dos sucos digestivos e glândulas salivares, nas membranas mucosas, no plasma e no citoplasma. Permite-nos saborear os alimentos. É vital para o funcionamentos dos vários órgãos e tecidos do corpo. Proporciona-nos o sentido do paladar. Corresponde à língua.

Terra (Prithvi): é densa, pesada, estável e consistente. No corpo, manifesta-se através das estruturas sólidas como ossos, cartilagens, unhas, músculos e tendões, pele e cabelo. O sentido deste elemento no corpo é o olfacto, sendo o nariz o seu órgão.

Por agora é tudo, e espero que tenha esclarecido já algumas dúvidas e deixado um gostinho para mais. Quando eu começar a explicar cada um dos doshas (referidos aqui), a compreensão sobre estes elementos no Homem irá ser aprofundada a pouco e pouco.

Se surgirem dúvidas específicas, contactem-me.


Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.